domingo, 1 de fevereiro de 2015

Paraná estreia 2015 com vitória!

Paraná estréia com vitória na vila capanema, no primeiro jogo do ano no campeonato paranaense, contra o Prudentópolis.
Placar 3x1
PARABÉNS TRICOLOR!

Prefeitura planeja o fim da Vila Capanema



Projeto municipal prevê acordo com o Paraná: clube desiste do Durival Britto e ganha novo estádio no Boqueirão.
De sede de jogos da Copa de 1950, casa dos extintos Ferroviário e Colorado, hoje estádio do Paraná, a Vila Capanema tem tudo para se transformar no Centro Administrativo da prefeitura de Curitiba.
Os gestores do município aguardam para os próximos dias o “sim” da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, para oficializar a negociação com o Tricolor.
A área de 55,3 mil m² é alvo de uma briga nos tribunais que já dura 41 anos. Em março de 2012, o imóvel foi incorporado ao patrimônio da União, mas os paranistas, detentores da posse, têm como recorrer da decisão.
Pela ideia inicial do município, toda formatada em planilhas com gráficos, após receber a praça esportiva do governo federal, o poder público oferece uma espécie de indenização ao Paraná: levanta um novo estádio, na Vila Olímpica do Boqueirão, e o clube abre mão de brigar na Justiça pelo terreno onde está o Durival Britto e Silva. O acordo leva em conta, entre outras coisas, o valor afetivo e histórico da Vila.
Assim a gestão Gustavo Fruet viu a possibilidade de resolver um problema próprio: centralizar todos os órgãos do Executivo, hoje espalhados em sedes locadas pela cidade.
“Estudamos as possibilidades jurídicas há quase um ano. Tivemos reuniões com o Paraná e com a Advocacia Geral da União (AGU). No campo jurídico, está tudo encaminhado”, diz o secretário municipal de governo, Ricardo Mac Donald Ghisi, que articula as negociações com apoio do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.
Os dirigentes do Tricolor, porém, negam que os contatos tenham acontecido. “Não há uma proposta formal a respeito desse assunto. Isso só poderá acontecer quando a prefeitura for dona da área. Agora, se me perguntassem se o Paraná seria suscetível a conversar com quem quer que seja – município, estado, União – a respeito do terreno, é lógico que sim”, afirmou o presidente do Conselho Deliberativo do clube, o procurador da AGU Benedito Gomes Barboza.
O centro da prefeitura teria um edifício de dez pavimentos em uma área construída de 100 mil m². Além do terreno da Vila Capanema, o projeto aglutinaria onze imóveis ao lado, que somam 19,7 mil m², hoje administrados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e que serão cedidos à prefeitura.
A proposta prevê ainda a construção de uma nova Câmara de Vereadores, hoje localizada em um prédio histórico no Centro da cidade. “Com a economia que fizemos em 2013, em torno de R$ 28 milhões, poderíamos fazer o pagamento da construção da nova Câmara”, diz o presidente da entidade, o vereador Paulo Salamuni.
O valor total do Centro Administrativo é estimado entre R$ 350 milhões e R$ 450 milhões e seria pago com a economia feita em alugueis, taxas e serviços de condomínios que deixariam de ser gastos nos prédios que hoje a prefeitura usa para abrigar suas estruturas administrativas, explica Ghisi.
“Hoje gastamos R$ 40 milhões com esses custos. Va­­mos fazer uma parceria público-privada (PPP) e a empresa contratada para construir o Centro Admi­nistrativo, a nova Câmara e o novo estádio receberá o pagamento par­­celado com o valor economizado nos anos seguintes à entrega das chaves”, diz o secretário.
Se o projeto do novo Cen­­tro já ganhou o primeiro esboço, feito pelo Ippuc – que inclui um Museu do Futebol – e as tratativas políticas estão adiantadas, na parte administrativa ainda há muito o que fazer: não há nada alinhavado sobre as especificações do que seria o novo estádio paranista.
O Tricolor planeja ter uma nova praça esportiva até 2017, mas o clube ainda não se articulou para colocar o projeto no papel. “O Paraná tem outras questões estruturais que precisam ser realizadas com certa urgência. Se não conseguirmos isso até 2017, será um prejuízo muito grande, porque temos verificado que, especialmente depois da Copa, quem não tiver condições de oferecer conforto e praticidade para seu torcedor vai penar muito”, afirma Barboza.

FOTO DO PROJETO

Entenda o caso
Veja a trajetória jurídica do Durival Britto:
1. A ação – em 1971, o Ferroviário se funde com o Britânia e o Palestra Itália. Nasce o Colorado. Os engenheiros da Rede Ferroviária Federal contestam a fusão na Justiça.
2. A posse – em 1978, a Justiça reconhece a fusão e a Rede ingressa com uma ação reivindicando a reintegração da posse do terreno.
3. A vitória – em 2003, a Justiça Estadual do Paraná julga improcedente a ação da Rede e declara que o Paraná possuía o domínio e a posse da área.
4. A reviravolta – a RFFSA entra em liquidação e o presidente Lula decide, via medida provisória, integrar todo o patrimônio da Rede à União.
5. A derrota – em março desde 2012, a Justiça Federal decide que o estádio é patrimônio da União e determina a desocupação do imóvel. O clube recorre com recurso no Tribunal Regional Federal.
6. A alternativa – a prefeitura de Curitiba negocia com a União a cessão do terreno da Vila ao município. Caso o Ministério do Planejamento concorde, a prefeitura se dispõe a dar em contrapartida ao Tricolor a construção de um novo estádio, em troca da desistência do recurso no TRF.

FONTE http://www.gazetadopovo.com.br/esportes/parana-clube/conteudo.phtml?tl=1&id=1440820&tit=Prefeitura-planeja-o-fim-da-Vila-Capanema 

Campeonato Paranaense 2015

Jogos em 2015

Data/Hora
Mandante
 
Visitante
Local
 
31/01 19:30
Sábado
Paraná Clube
x
Prudentopolis - PR
Durival Britto e Silva - Curitiba/PR
Informações 
05/02 19:30
Quinta
Paraná Clube
x
Cascavel-PR
Durival Britto e Silva - Curitiba/PR
Informações 
08/02 19:30
Domingo
Atlético-PR
x
Paraná Clube
Arena da Baixada - Curitiba/PR
Informações 
12/02 19:30
Quinta
Paraná Clube
x
J. Malucelli-PR
Durival Britto e Silva - Curitiba/PR
Informações 
22/02 16:00
Domingo
Grêmio Met. Maringá - PR
x
Paraná Clube
Regional Willie Davids - Maringá/PR
Informações 
27/02 19:30
Sexta
Paraná Clube
x
Nacional-PR
Durival Britto e Silva - Curitiba/PR
Informações 
08/03 16:00
Domingo
Rio Branco-PR
x
Paraná Clube
Fernando Charbub Farah - Paranaguá/PR
Informações 
11/03 19:30
Quarta
Paraná Clube
x
Foz do Iguaçu-PR
Durival Britto e Silva
Informações 
15/03 18:30
Domingo
Londrina-PR
x
Paraná Clube
Estádio do Café - Londrina/PR
Informações 
22/03 16:00
Domingo
Operário Ferroviário-PR
x
Paraná Clube
Germano Kruguer - Ponta Grossa/PR
Informações 
29/03 16:00
Domingo
Paraná Clube
x
Coritiba-PR
Durival Britto e Silva - Curitiba/PR
Informações 

Legenda
 Paranaense
 Copa do Brasil
 Brasileiro

segunda-feira, 21 de abril de 2014

PARANÁ CLUBE - GRUPO DE CORREDORES

Esse release é de Rogério que na época, novembro de 2012, quando estudava jornalismo na PUC PR, realizou o trabalho academico sobre o Paraná Clube, e eu fico grato em publicá-lo.

Paraná Clube aproveita força tricolor para atuar além das quatro linhas, numa nova modalidade

Sendo o único clube da capital a acumular várias modalidades profissionais, o Paraná Clube resolveu criar um projeto para corredores de rua. Nele são feitos acompanhamentos dos atletas, com orientações profissionais, planilhas de treinamentos e assessoria esportiva durante as competições.

O grupo já existe há quatro meses e conta com mais de 30 pessoas, que pagam uma mensalidade e contam com cinco dias por semana para treinamentos, em horários que revezam entre o período da tarde ou manhã.



A idéia do projeto não é montar uma equipe de competição, mas um grupo que busca a qualidade de vida através das corridas – segundo a coordenação da modalidade no Paraná Clube.

Se utilizando da força e do carisma herdado pelas cores tricolores, os atletas se inspiram a construir quem sabe num futuro não muito distante um grande centro da atividade no estado do Paraná. O primeiro passo já foi dado. Avante tricolor! Afinal, teu pavilhão simboliza, em cores tão vivas, a garra e o amor.
                      Parte da equipe do Paraná Clube de Corredores de rua

Foto: Paraná Clube
Carpano Assessoria de Comunicação
Contato Rogério Teotônio Rodrigues rogerio.t@pucpr.br

sábado, 24 de novembro de 2012

SEIS MIL CONTRA 600!

Vida de torcedor é difícil ... torci muito, mas infelizmente meu Paraná não conseguiu segurar os poodles.
Foi o jogo de seis mil contra seiscentos! O jogo dos gigantes contra meu pequenino tricolor, Davi contra golias ...
Há tempos meu sangue não fervia assim, afinal "secar" um rival com a possibilidade de não passar para primeira divisão se perdesse do Paraná ainda mais com a impressão que faziam de um "ja ganhamos" em cima de um Paranazinho morto como eles gostam de dizer ... nossa! Estou sem voz de tanto gritar ...
Mas fazer o que ... parabéns aos poodles!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

A EXPECTATIVA É A PIOR INIMIGA DO PARANÁ CLUBE

O “meme” acima circula no Facebook e somado ao resultado do Derby do final de semana, me fez expor uma reflexão que, embora pareça dolorosa aos tricolores, é na verdade a chave para a retomada de um Paraná Clube forte e vitorioso:
Não há grau de comparação entre o Paraná e os outros dois clubes da cidade, Atlético e Coritiba.
Nós, da imprensa, somos em parte culpados da percepção que se tem de que o Paraná tem as mesmas obrigações dos rivais de outrora. Não tem: falta ao Paraná muito no comparativo com a dupla, especialmente dinheiro. O Paraná é cobrado como se recebesse o mesmo que Atletiba, como se tivesse o potencial midiático da Velha Firma* da cidade, como se tivesse a mesma estrutura dos outros dois. É vendida ao torcedor a ideia de que o Paraná de hoje é tão competitivo quanto os outros dois e, por mais doloroso que isso possa soar, não é.
Um rápido resgate histórico mostra alguns porquês. Escolhas erradas, como a venda do terreno do antigo Britânia ao invés da exploração imobiliária da região, a famigerada parceria que trocou direitos de jogadores por alimentação e uma sequencia de administrações nocivas minaram o que era a proposta inicial do Paraná: um clube com estrutura sólida (Pinheiros) e uma torcida participativa (Colorado). Basta ver quanto Thiago Neves, um dos melhores jogadores em atividade no futebol brasileiro, rendeu ao Paraná. Nem o orgulho de dizer que ele é do clube ficou.
A revolução de 1995, que guindou o Atlético ao patamar de um dos maiores clubes do Brasil, com a conquista do título nacional de 2001, iniciou-se na verdade em 1989. Foi a fusão entre Pinheiros e Colorado que acordou a dupla Atletiba. Isso depois de 5 anos de domínio absoluto tricolor. O Coritiba, destaque nacional no fim dos 70, meados dos 80, ressurgiu na mesma época e voltou a frequentar a Série A, mais recentemente chegando a duas decisões de Copa do Brasil. A Velha Firma paranaense ficou à sombra do Paraná antes de se mobilizar. E o que fazia o Paraná se sobrepor aos dois era organização e dinheiro, que foram embora.
O Paraná hoje tem menos estrutura, menos torcida, menos capacidade de arrecadação, menos dinheiro (é chato repetir, mas é isso: dinheiro) que os outros dois. Como o futebol ainda reserva mágica, pode ganhar e surpreender em campo. Mas a lógica é que não. Isso explica as 8 derrotas consecutivas para o Atlético e outras 5 partidas sem vencer o Coxa desde 2010. Isso explica porque o clube começa bem a Série B há três temporadas, mas não consegue se sustentar o suficiente para ficar no G4 ao final das 38 rodadas.
Exigir do Paraná além do que ele pode oferecer é matar o clube a cada dia. E isso não é sinônimo de afastar o torcedor de campo, pelo contrário: esse tem papel fundamental no momento de reconstrução paranista. Há que se admitir que o potencial hoje é menor do que o de antes. Que fazer uma campanha honrosa, sonhando com pés no chão, é o melhor. Que o acesso no Estadual, obrigação, já veio. E por isso demitir técnico (o que nem foi cogitado) ou mudar todo um elenco, invadir campo, inverter faixas, só vai prejudicar.
Afinal de contas, não importa o resultado, o sujeito muda até de sexo, mas não muda de time. E clubes argentinos e ingleses lidam bem com suas expectativas temporada após temporada. Até o supercampeão Liverpool atualmente só briga pra tentar chegar à Champions League; sem dinheiro, título é pra United, City, Chelsea e Arsenal, mais afortunados.
A expectativa derrota o Paraná temporada após temporada. Ela parte de todos os setores do futebol paranaense, alguns mais hipócritas que os outros. Para que o clube possa realmente voltar a ser competitivo, é preciso repensá-lo e reinventá-lo.

Fonte: bem parana, Napoleao de almeida, 27/7/2012

quinta-feira, 19 de abril de 2012

PARANÁ VS CEARÁ

Imagem do site futebol paranaense

Jogo com muita raça, determinação e vontade. Aos 24 minutos Da segunda etapa o Ceará abre o placar e da início a angústia paranista. A partida é interrompida aos 42 min/2°, por causa da fumaça dos sinalizadores e foguetes que atrapalhavam a visão do árbitro e dos jogadores. Aos 45 da etapa final, após reiniciar a partida, o Paraná Clube marca com Douglas, para explosão de alegria da torcida.

Os paranistas davam show com sinalizadores vermelho, azul e com foguetes. O décimo segundo jogador, da arquibancada, empurra o time aos berro: “para cima deles tricolor, seja quem for, eu não me canso de cantar, meu Paraná”. Parabéns também aos torcedores do Ceará que compareceram em Curitiba, apesar da distância.

Agora que venha o Palmeiras!

quarta-feira, 18 de abril de 2012

IMAGEM 18

sexta-feira, 13 de abril de 2012

COPA DO BRASIL

Paraná Clube e Ceara foi um jogo emocionante. Nos primeiros 15 minutos uma angustia: um a zero para o Ceara e parecia que o Paraná seria goleado, pois, só o time nordestino atacava! Com o passar do tempo o tricolor empatou e virou o jogo. Percebemos que mesmo com o ritmo de jogo forte imposto pelo Ceara, o Paraná no contra ataque estava marcando, uma felicidade geral! ao fim do jogo saímos do nordeste com o empate, um excelente resultado. Semana que vem vai ser uma linda festa na vila capanema para empurrar o time para uma vitória e classificação para próxima fase da copa do Brasil.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

IMAGEM 017